Visita do “Joides Resolution” a Lisboa

NA CONTINUAÇÃO de um projecto científico em curso nas águas da nossa Zona Económica Exclusiva, no âmbito do ECORD/IODP (European Consortium for Oceanic Research Drilling / Integrated Ocean Drilling Program), o moderníssimo navio oceanográfico Joides Resolution, com143 metros de comprimento e uma torre de sondagens com mais de60 metros de altura, estará em Lisboa nos próximos dias 18 e 19.

Considerado um dos mais notáveis laboratórios de investigação flutuantes do mundo, no domínio das Ciêncas do Mar, está  preparado para perfurar os fundos marinhos (até mais de 8000 mde profundidade), podendo aí penetrar mais de 1000 m. Os seus laboratórios totalizam uma área de mais de 1000 m2 e estão equipados, para apoiarem, ao mais alto nível, a inúmeros trabalhos de geologia marinha (tratamento e registo de testemunhos de sondagens, mineralogia, sedimentologia, geofísica, etc.) e de oceanografia física, química e biológica. Trabalham aqui cerca de meia centena de cientistas e técnicos de laboratório e um número equivalente entre elementos da tripulação de marinha e da equipa de sondagens.

O Joides Resolution atracará no cais de Alcântara, onde poderá ser visitado no próximo dia 18, entre as 9 e as 11:30 horas.

Nesse dia será evocada a criação do ECORD (European Consortium for Oceanic Research Drilling), do qual Portugal é membro fundador, decisão que constituiu um marco significativo do empenhamento de Portugal nas ciências do Mar, estando a tutela ministerial da Ciência sob a responsabilidade do Prof. Mariano Gago. Será ainda prestada homenagem ao Prof.Mário Ruivopelo seu papel na adesão de Portugal a este consórcio internacional e pela sua dedicação à causa das ciências e tecnologias marinhas.

Mais informações sobre esta jornada poderão ser pedidas ao Prof.Fernando Barriga, doDepartamento de Geologiada Faculdade de Ciências de Lisboa, na qualidade de delegado de Portugal, por parte da Fundação para a Ciência e Tecnologia, junto do ECORD/IODP (European Consortium for Oceanic Research Drilling / Integrated Ocean Drilling Program).

VAI PARA 25 ANOS que, no Museu Nacional de História Natural, da Universidade de Lisboa, surgiu um grupo de investigaçãoem Geologia Marinha/Oceanografia Geológica, com ligações internacionais, que designamos por DISEPLA, acrónimo de Dinâmica Sedimentar da Plataforma. Coeso e activo, este grupo está hoje disperso por várias universidades do País e laboratórios do Estado, mas as ligações entre os seus membros não se perderam.

Menos conhecida do grande público, esta nossa actividade, que reputo como a mais volumosa e importante contribuição científica deste Museu, nos 20 anos em que nele trabalhei, foi uma caminhada pioneira que conduziu ao nascimento e expansão de uma verdadeira escola neste domínio científico.

Em1987 aentão Junta Nacional de Investigação Científica e Tecnológica (JNICT), hoje Fundação para a Ciência e a Tecnologia, de que era presidente o Prof.Mariano Gago, lançava o “Programa Mobilizador de Ciência e Tecnologia”, no qual tinha cabimento uma componente dinamizadora das Geociências do Mar, apresentada publicamente pelos Profs.Mário Ruivo, da Comissão Oceanográfica Intergovernamental da UNESCO, Michael Collins, da Universidade de Southampton, e Michael Vigneaux, da Universidade Bordéus. Foi na sequência deste programa que João Alveirinho, então o primeiro e o único doutorado portuguêsem Geologia Marinha, me veio propor que subscrevesse a candidatura à JNICT de um projecto de investigação, concebido por ele, como desenvolvimento do tema da sua tese de doutoramento, acabada de defender. Tendo orientado, em parte, este seu trabalho e acompanhado de muito perto toda a sua carreira científica, nos saudosos Serviços Geológicos de Portugal e no Instituto Hidrográfico, e tendo em conta a oportunidade, a qualidade e o interesse estratégico desse projecto, aceitei esta sua proposta o que implicou, também, aceitar sediar no Museu a equipa de jovens investigadores que era necessário reunir e formar. Com esta proposta, João Alveirinho, apenas necessitava de uma instituição que os acolhesse e de uma assinatura que o avalizasse. Ponderada a situação, pus à disposição deste meu ex-aluno os nossos espaços, os nossos equipamentos e os nossos escassos recursos em pessoal técnico, administrativo e auxiliar. Assim sendo, apresentei, à então JNICT, o primeiro dos vários projectos que ali se desenvolveram nos dez anos que se seguiram, concebidos em conjunto com outros, da responsabilidade científica do Prof.António Ribeiro, também eles sediados no mesmo Museu. O primeiro projecto arrancou em início de 1988 com uma investigadora sénior e dez alunos finalistas de Geologia.

O Grupo DISEPLA visou, sobretudo, a formação de jovens investigadores e a criação de um corpo nacional de investigação no domínio da Geologia Marinha, interdisciplinar e internacionalizado, até então ausente das nossas universidades. Caracterizado por grande informalismo e por um mínimo de burocracia, constituiu um fórum de permuta de ideias e experiências, de discussão de resultados e de entreajuda. Entre os elementos formados no grupo, até a minha colocação na “prateleira dos aposentados”, 28 concluíram o mestrado e 13, o doutoramento. Os sete encontros que promovemos, alguns em colaboração com os colegas do país vizinho, trouxeram ao conhecimento mais de mil comunicações.

Com o passar do tempo, o DISEPLA evoluiu naturalmente para uma rede de investigação, eficaz e igualmente informal, cujos elementos, dispersos, como se disse atrás, são agora os promotores e os responsáveis pelos seus próprios projectos, em que cada um procura as colaborações mais convenientes e nos moldes que entenda estabelecê-las.

Nascido e desenvolvido no Museu Nacional de História Natural com o indispensável e sempre disponível apoio do Instituto Hidrográfico, este grupo deixou descendentes, ou seja, fez escola que continua a dar frutos, uma realidade que ficará esquecida se ninguém se der ao trabalho de a registar.

 

 

 

 

 

 

Com uma primeira geração de investigadores que, de juniores passaram a seniores, vimos partir a maior parte destes “filhos”, hoje independentes e a trilharem os seus próprios caminhos, o que nos enche de satisfação e orgulho. Actualmente há “netos” que já nem conhecem os “avós”, mas que só existem porque estes “avós” tiveram a ousadia de iniciar esta viagem e de segurar o leme deste navio, nas primeiras milhas desta gratificante navegação que conduziu, repito, à introdução das Geociências do Mar nas nossas universidades, onde os mestrados e os doutoramentos se sucedem.

Anúncios

No comments yet»

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: